Os sete segredos que fazem a diferença nas cozinhas de luxo 

Talvez nunca se tenha apercebido do potencial que esconde a sua cozinha, mas o facto é que dificilmente alguma divisão em nossa casa pode encerrar nas suas quatro paredes uma sensualidade latente na arquitetura e sobriedade interior como a cozinha. Principalmente as cozinhas de luxo. As possibilidades são variadíssimas. Ainda não está convencido? Venha descobri-las!cozinhas de luxo 2

Os segredos que fazem a diferença nas cozinhas de luxo

Alvenaria nua

Os silhares de alvenaria em pedra de tons alaranjados e os armários em fucsia conferem ao conjunto da cozinha monocromática ilustrada na imagem abaixo um degradé que é reinvidicado pelo equilíbrio das tonalidades claras e texturas suaves da boiserie em madeira polida.

A exposição de paredes e bancadas em alvenaria aparelhada são “a” tendência. Sejam tramos em ladrilho, fachadas em tijolo, ou cortinas em pedra como na imagem acima, estão cá para ficar.

Fileira de bancos altos corridos

Os bancos altos corridos sobre a bancada, ilha, ou península, da sua cozinha não só têm um ensemble meio enigmático de uma Chicago rejuvenescida como, muito simplesmente, são um elemento estilístico que observa uma certa sobriedade mas que nunca passa despercebido. Este contraste despojado é muito desejável quando se fala do tal “je ne sais quoi” decorativo.

Tenha em consideração a afluência demográfica lá de casa. Só lhe fica bem, seja da perspetiva social ou estilística.

Além disso, estes bancos têm um propósito muito justo a nível social: as pessoas cordiais dizem que “gostam” de ficar de pé  por um motivo muito simples: é que ninguém gosta de ficar sentado na cadeira desajustada, convenhamos. Não se sabe o que fazer aos joelhos, de repente temos dois cotovelos de que nunca nos lembrámos até à data, o nariz dá-nos pela bancada, e é toda um conjunto de factores ligeiramente desagradáveis que nos fazem preferir “gostar de ficar em pé”. Tenha em conta!

Plantas

Virtualmente qualquer cozinha fica melhor com um toque de vegetação cuidado. Não significa (nem deixa de significar) encher a cozinha de Magnólias, mas um verde suspenso ou um vaso de pé alto acolhendo uma meneácea exótica no canto ao pé da janela com nada sem ser um pequeno ornamento que convoque o imaginário selva/savana/tundra é uma jogada de mestre que conjuga 3 fatores: o minimalismo, o verde, e os detalhes nos adereços.

A sensação de entrar numa cozinha com um toque de natureza assumido torna o espaço muito mais convidativo, onde apetece estar com prazer.

Ilhas duplas

Se quiser imprimir o ritmo de produtividade “à anos 20” nas jantaradas de Verão, aposte nas ilhas duplas ou penínsulas (se for mais do estilo tradicional)  e deslumbre-se com o fluxo ininterrupto de atividade na cozinha. O caos em que a bancada ficou depois de duas travessas de bacalhau tirou-lhe a motivação para a sobremesa? Já não acontece!

Tons escuros

Os castanhos, bordôs, madeiras nobres, cortiçados, cinzentos, cobres, dourados e metalizados polidos, seja nos candeeiros de tecto, nos apainelamentos e boiseries, móveis, bancadas, e o elusivo chão em parquet tratam-se de um conjunto sempre muito promissor para conferir elegância e sofisticação à sua cozinha.

Revigore a sua cozinha com um apontamento de natureza adicionando plantas. Detalhe do elusivo chão em parquet nesta cozinha em tons escuros.

Adicionar um tapete

Atenção: não é boa ideia adicionar um tapete em frente ao lava-loiças, como pode imaginar. Mas se a sua cozinha for um open-space em comunicação com a sala e jantar…porque não adotar esta sugestão visual de apelo ao conforto?

Para dar um toque de conforto familiar ao espaço, considere adicionar um tapete à sua cozinha de luxo.

Pro-tip: precisa de se inspirar para que a criatividade comece a fluir? Vá comprar uma caixa de chocolate negro topo de gama e deixe-se viajar nos contrastes sóbrios entre os dourados, os cobres, e as tonalidades escuras.